sábado, 12 de novembro de 2011

ASSUNTOS EDUCACIONAIS - POR JULIANA SILVA




O PROFESSOR NO MUNDO DIGITAL

           Investir na formação do professor é de total relevância para o êxito da educação digital, uma vez que acreditamos que os professores tendo uma boa formação, terão melhores condições de viabilizar o processo de inclusão digital de alunos e se destacarem como profissionais do ensino. Refletir sobre a formação dos docentes e dos acadêmicos, torna-se imprescindível, uma vez que ao partir desta reflexão poderemos melhor compreendê-la e assim poder contribuir para o encaminhamento deste processo de aperfeiçoamento.

            Importante registrar que, no ínterim dessas discussões acadêmicas mais gerais, sobre os cursos de formação docente, se faz o presente debate de como levar a alunos, professores e demais profissionais da educação a esse nível de conhecimento. Hoje, temos o PROINFO, A Plataforma Freire , entre outros cursos, mas é necessário cada vez mais momentos de aperfeiçoamento, tendo em vista as reais demandas existente no setor educacional. Com o surgimento de debates acerca deste tema, algumas atividades são pensadas, as quais detalharemos em outro momento.

Assim, o que se apresenta ainda hoje é uma indefinição nas políticas públicas no que se diz respeito a melhor maneira de darmos formação ao docente em acordo com esta temática. Sabemos que muitos profissionais ainda resistem à qualificação digital, mas quem já faz uso da mesma sabe de sua importância. Ao poder manusear, computadores, equipamentos de som, datashow, o profissional traz para o seu ambiente escolar tudo que há de mais moderno em nossa sociedade.

Está na hora dos profissionais que ainda não estão em acordo com as exigências do mundo digital, repensarem suas práticas, a fim de chegar em um patamar de conhecimento que faça com que se sintam capazes e inspirados a utilizar esses meios. O governo federal vem contemplando em seus projetos de políticas públicas para Estados e municípios, além de outros programas importantes o de trazer a internet direto para a escola, para que o aluno, tenha acesso, promovendo assim uma inclusão não só digital mas por que não dizer social também. O que não se quer dizer que se esteja implantando uma política de fiscalização de como estes materiais estão chegando e sendo utilizados, pois deve haver uma coerência entre as políticas públicas e as ações realizadas na escola.

        Enfim, o que se percebe é a necessidade de se aprofundar no debate e no enfrentamento dos conflitos para chegar-se a uma definição maior sobre as diretrizes a serem assumidas com relação à formação do professor e das entidades governamentais, para uma educação reflexiva, pautada em preceitos da modernidade. Esse tipo de olhar acerca da prática, requer do professor um constante repensar da ação pedagógica e por que não dizer da didática utilizada.

Juliana D’Aparecida Souza Silva

Nenhum comentário: